O imbróglio sobre o time campeão do Major

A primeira grande polêmica no mundo do CS:GO, sem dúvidas foi o caso envolvendo o “arranjo” (ou match-fixing) de jogos envolvendo a equipe da iBUYPOWER e muitos outros, que culminou com o banimento permanente, de torneios da Valve e de seus afiliados, dos jogadores responsáveis.

Parece que agora temos a primeira grande notícia envolvendo uma equipe tupiniquim no mundo das polêmicas. Ao que tudo indica, o time liderado por FalleN – incluindo Coach e Manager -, haviam assinado (antes do início do MLG Columbus 2016, do qual eles sagraram-se campeões) um contrato com a equipe, com base na Alemanha, da SK Gaming. Ficou acertado o início dos trabalhos representando a nova tag à partir de 1º de Julho deste ano corrente.

Porém, segundo o dono da LG, Steve Maida: “Até hoje espero receber um e-mail da SK (Alex, dono da equipe)“. Ressaltou que: “Ele tentou manipular, subornar e realizar propostas a meus jogadores, os quais poucos falam inglês e assim não tem nenhuma representação legal […]”, “Ele fez meus jogadores pensarem que a LG era o mal deles, e os guiou em como quebrar seus contratos com informações falsas e mentirosas […]”.

Segundo Gabriel, eles assinaram o contrato sob pressão da organização alemã, e se arrependem tremendamente pelo “erro” que cometeram, dizendo que: “Isso nos levou a 1 dia antes de viajar para o major, onde nós decidimos como grupo assinar o contrato. O maior erro de nossas vidas. […]”, “Nós com toda certeza cometemos um erro e nós somos os únicos a serem culpados. […]”.

A história tem início em Dezembro de 2015, onde na ESL ESEA Pro League Finals, o time resolveu assinar e manter uma “Letter Of Intent” – que poderia ser traduzido de forma mais concisa como “Carta de Intenção” ou “Acordo de Intenções” – com a equipe Luminosity Gaming. Esta Carta, tornava obrigatório a representação dos jogadores sob qualquer circunstância para a LG, até que fosse assinado um contrato oficial com os jogadores em até 2 semanas após a assinatura da Carta. Após isto, FalleN afirma que a organização canadense começou a obedecer os termos propostos na Carta em até alguns meses após o início de sua vigência, sendo o grande ponto que o time começou a fornecer, o novo salário proposto na Carta. Sendo assim, a organização teria até 14 dias para propor um novo contrato e os jogadores realizarem sua assinatura, mas segundo Gabriel, os jogadores da equipe continuaram adiando e adiando a assinatura do contrato, tornando assim “Actus, a principio nullus, nullum producit effectum“, ou em português, “O ato nulo desde o princípio não produz nenhum efeito“, mesmo o time realizando o pagamento dos salários nos novos termos, a “LOI” perdeu seu valor legal, pois seu principal termo foi quebrado (que seria o contrato). A organização insistiu na assinatura dos jogadores para o novo contrato, mas estes refusaram ou adiaram sua assinatura ao longo de vários torneios, o que ocasionou na ruptura da “LOI”. Com isso, a SK Gaming viu uma oportunidade e começou a pressionar os jogadores a assinarem com a equipe germânica, afim de não perder a “Janela de Transferências” da AMES [sic] – ou, WESA -, permitindo assim a entrada da equipe para a organização mundial que visa organizar os e-Sports.

Mas nem é de todo mal o que a equipe brasileira produziu de efeito, afinal a SK através de pressão induziu os jogadores a assinarem os contratos e, segundo Gabriel, indagou aos jogadores discrição nas conversas mantidas entre eles, onde até o momento FalleN era um dos únicos que não anseava a mudança de equipes, mas acabou convencido pois todos os seus companheiros queria mudar de organização. Ele disse: “A SK nos disse bem no começo para não compartilhar as informações que estávamos discutindo com ninguém. Ele [Alex] sabia que isso era errado e nós também. […]”, “A SK sabia que nós tinhamos uma LOI vigente para extender nossos contratos assinados e não apenas não respeitou isso, […] mas também enfiou na cabeça de meus companheiros que eles não tinham de submeter-se ao contrato com a LG. […]”.

Oficialmente a equipe alemã, enviou os contratos para assinatura no dia 21 de Março de 2016, e os jogadores os assinaram em 26 de Março.

Depois de tudo isso, a equipe ao retornar da DreamHack Masters Malmö, decidiu desfazer sua mudança e foram comunicar isso à SK, a qual respondeu com um sonoro não. Segundo FalleN, foi dito pela equipe: “[…] grow up […] the contract was signed. […]”, traduzindo: “Cresçam pois os contratos já foram assinados“.

Para realizar a defesa da SK nesse caso, foi anunciado Pietro Fringuelli, que é comissário da AMES, a qual foi fundada basicamente pela ESL (Electronic Sports League), e foi informado aos jogadores que caso eles não mudassem de ideia a equipe poderia ser desclassificada dos torneios organizados pela ESL (até mesmo a ESL One Cologne 2016) e seriam proibidos de praticar a profissão durante o tempo de contrato. Depois que foi anunciado que um membro de uma empresa que organiza campeonatos seria o advogado da SK, fora rebatido tal uso de imagem, e rapidamente, Pietro retirou-se do caso e outra pessoa foi destacada para realizar a defesa da equipe alemã, Konstantin Ewald, o qual informou que os jogadores seriam processados caso não comecem a competir pela SK Gaming a partir de 1º de Julho. O lado brasileiro é representado por Bryce Blum.

Ainda nesta bagunça, existe um membro da AMES, Ralf Reichert, o qual é sócio da SK Gaming. Porém, quando perguntado através de Steve Maida (dono da LG), este disse que nada tinha a ver com a situação e que o que a SK fez, era totalmente legal na sua visão.

FalleN finalizando disse: “O que nós não percebemos foi que a jogada feita por Alex e a SK foi na verdade algo chamado ‘Tortuous Interference’ [sic], o qual é ilegal não só nos eSports. […]”. A “Tortious Interference” é reconhecida nas leis estadunidenses como quando, uma pessoa intencionalmente fere um contrato ou outras relações de negócios. Gabriel continuou dizendo que: “Eu tentei alertá-los [Alex e a SK] nos primeiros emails que eles me enviaram para falar estritamente com Steve. Após todas as negociações, eles nos disseram que nos dariam um cheque em aberto de 1 milhão de dólares como segurança. […]”.

Ainda havia a chance da LG “segurar” a parte dos jogadores das quantias dos prêmios vencidos por estes, mas este argumento foi rebatido pela própria Luminosity, que através das falas de Gabriel disse: “[…] eles repetidamente nos disseram que eles não iriam reter nosso dinheiro de premiações. […]”. FalleN ainda assegurou que a equipe resolveu mudar de ideia e permanecer na equipe atual, não pelo perigo da equipe reter suas quantias, mas porque eles sentem-se seguros e confortáveis.

O principal argumento apresentado por FalleN, foi que eles ainda são amadores neste mundo de negócios e que não tinham ideia do tamanho da bola de neve que isso iria se tornar e não previam tantos problemas como os que têm agora, “We are very amateurs on business, we are young and most of us never has been through those process. […]”. Tudo que nos resta é manter a fé que tudo dará certo para a LG, afinal, foi a equipe que logo no começo, quando ainda éram Keyd Stars, confiou e dedicou tudo pelos jogadores brasileiros, que depois de 1 ano no cenário mundial, ganharam seu primeiro título mundial.

Fontes: http://espn.go.com/esports/story/_/id/15774305/sk-gaming-luminosity-locked-contract-disputes-sk-attempted-poach-luminosity-players, http://www.dailydot.com/esports/fallen-csgo-response-sk-gaming-controversy/, http://www.jurisite.com.br/dicionariolatim/

By
Paulo Henrique, 19 anos, estudante a Bacharel de Sistemas de Informação pela FACET em Curitiba no Paraná. Staff do SiteCS desde 2010.

Deixa uma resposta

Your email address will not be published. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*